Carregando Postagens...

A Humilhação da Inteligência?


Assisti hoje a um seminário na internet que dissertava sobre o conflito entre a fé e a razão. Comenta sobre a tradição escolástica na idade média, as reformulações de Martin Lutero na reforma protestante onde coloca teses contrárias à uma tradição filosófica denominada escolástica. Claro que Lutero combate tal tradição com argumentos que, por sua vez, também são filosóficos, a despeito de não se acreditarem assim, por se apoiarem, supostamente, na revelação da palavra de Deus existente nas escrituras sagradas.

A escolástica é um pensamento que surgiu na idade média com o intuito de conciliar as exigências da racionalidade grega, platônica e Aristotélica com a revelação cristã. Inicialmente a fé católica não possuía um  antagonismo radical com critérios racionais. Evidentemente, tal perspectiva nunca foi compartilhada com o povo ficando restrita aos teólogos e às discussões teológicas e concílios de onde se originavam as deliberações cujo caráter admitia-se divino.

É de certa forma reconfortante observar o esforço intelectual de filósofos cristãos, teólogos e crentes em geral ao tentarem justificar uma fé que é tão generosa em suas vidas, que lhes dá apoio e sustento nas horas alegres e tristes. A despeito de tais aspectos positivos, fica uma certa inquietação ao saber que nem sempre a fé possa se apoiar na razão e que, muitas vezes, os fatos duros da existência e a natureza lógica de nossas indagações pareçam desmentir o que acreditamos. Muitos podem alegar que sua fé não necessita de ciência ou razão, mas essa não é uma atitude solidária aqueles que não podem adquirir a fé por meios não racionais. Não é nada cristã a indiferença com um pai ou mãe que passam a descrer de Deus ao presenciarem a morte violenta de uma filho ou filha de três anos devido a um câncer ou a uma bala perdida. Não deveríamos ficar felizes em ter um argumento razoável dentro de nossa fé para lhes dar? Se você disser que seu filho de três anos levou um tiro na cabeça porque foi a vontade de Deus, e que foi melhor assim, aconselho que você fique calado. Isso não ajuda.

As nações do primeiro mundo como Suécia, Holanda, Japão, etc... Apresentam índices elevados  de ateus e agnósticos que chega a 60% em alguns países do primeiro mundo. Se apostarmos no desenvolvimento científico e tecnológico das nações seremos obrigados a observar o fim da fé ou deveríamos torcer para que o atraso econômico e intelectual que caracteriza o terceiro mundo permaneça para sempre? O povo europeu é extremamente hostil à tradição religiosa e este aspecto é percebido não apenas por sociólogos mas, sobretudo, por pregadores cristãos e de outras religiões que se aventuram nesse ambiente hostil. Tal situação não poderia ser decorrente de religiões que se sustentam numa fé contrária à razão? Não seria o ateísmo e o agnosticismo o resultado de imposições dogmáticas e de fatores históricos que desmereçam os movimentos religiosos? No fundo, não seria um problema da fé em si mesma, mas de uma fé inadequada ao avanço intelectual do mundo?

No seminário referido no início do texto, o teólogo relata que a fé e a razão não precisam ser totalmente dissociadas, que algum aspecto da fé possa ser racional, mas que a razão deveria ser colocada abaixo da fé. Ele denominou tal aspecto de: a humilhação da inteligência, nome do seminário que ministrou. Claro que tal postura é um pouco melhor que o dogmatismo religioso tradicional, mas não deixa de ser preocupante que para se ter fé, precisemos nos fingir de burros, ou seja, humilhar a inteligência dada pelo próprio Deus.

O problema é que provavelmente aceitamos a tese de fé x razão de forma muito fácil. É certo que muitos aspectos da fé não sejam racionais, mas não é certo que tais aspectos façam parte de uma fé verdadeira, aliás, podem mesmo ser contrários à fé. Podemos estar acreditando em algo que não faz parte da fé cristã ou outra fé, simplesmente, por nos apegarmos à tradição dos religiosos que nos precederam.

Se a Bíblia condena a transfusão de sangue isto pode, naturalmente, ser decorrente da ausência de laboratórios para a tipagem sanguínea entre um povo que viveu há quarenta séculos atrás. Hoje, o próprio Moisés receberia sangue se precisasse porque hoje é seguro fazer isso. O próprio Cristo, no Novo Testamento, disse que o sábado foi feito para o homem, mas o homem não foi feito para o sábado. Até hoje, porém,  muitos religiosos não trabalham aos sábados sob a alegação de ser condenado pela Bíblia.

É necessário um esforço para não colocarmos as nossas limitações intelectuais, emocionais e morais como fazendo parte da fé. Claro que não podemos entender tudo, mas a fé não exige a aceitação de tudo. Não é indispensável acreditar que Jonas ficou quatro dias dentro da barriga de uma baleia, no fundo do mar e sobreviveu. Eu posso ter fé sem acreditar nisso. O maior mandamento é amar a Deus sob todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Muitos acreditam que bastará a fé sem a caridade para a salvação, mas não explicam como é possível amar ao próximo como a si mesmo sem ser caridoso para com o próximo. A não ser que acreditem que amar o próximo seja, simplesmente, ter fé em Deus.

Evidentemente, você pode acreditar em aspectos não racionais, em ter fé em algo que aparentemente não tem sentido. É uma escolha sua e pode em muitos casos ser uma boa escolha. O que não podemos é exigir que a fé deva ser divorciada da razão, que outros não possam alcançar racionalmente um motivo para fé, que outros não possam ou desejem uma fé racional. Se eu e você não podemos ser donos da fé alheia, com certeza também não podemos submeter a fé aos nossos caprichos, limitações de vários tipos ou, simplesmente, a nossa falta de razão.

João Senna: Médico, Escritor, Palestrante

Comentários

Deixe um Comentário

Posts Recentes

13/Janeiro/2024

As duas irmãs

22/Novembro/2023

A partida

16/Novembro/2023

Desumanidade

08/Outubro/2023

A adolescência

27/Setembro/2023

Clube dos Carecas


Onde estamos ? clique aqui para ver o mapaFechar Mapa

Entre em Contato

Aguardamos seu contato!

Telefone

(71) 3288-1452

Email

accabem@hotmail.com

Localização

Rua Professor Theócrito Batista - s/n lt 39 - Caji, Lauro de Freitas - BA - 42.721-810